maio 16
Esportes aquáticos nos Jogos Paralímpicos de 2016

Esportes aquáticos nos Jogos Paraolímpicos de 2016

Jogos Paralímpicos

 É com muita expectativa que os brasileiros estão esperando os Jogos Olímpicos que acontecerão na cidade do Rio de Janeiro, daqui a pouco menos de 1 ano. Mas, poucos se lembram de que também acontecerão os Jogos Paralímpicos por aqui, com início em 7 de setembro do ano que vem. Existem diversas modalidades paraolímpicas para podermos acompanhar e torcer, inclusive de esportes aquáticos. Vamos conhecer um pouco mais sobre os Jogos e sobre as modalidades praticadas na água?

Depois da Segunda Guerra Mundial, o número de pessoas com necessidades especiais cresceu muito, em função dos ex-soldados que foram mutilados em combate. Como parte da reabilitação médica praticada nos Estados Unidos e principalmente na Inglaterra, começaram a surgir os primeiros eventos de prática esportiva de competição para os veteranos de guerra e para outros pacientes com alguma deficiência física. Os primeiros Jogos Paralímpicos reconhecidos pelo Comitê Internacional foram realizados em Roma, no ano de 1960.

Modalidades

Atualmente, das 23 modalidades que compõem os Jogos, 4 delas são exclusivamente aquáticas: canoagem, natação, remo e vela.  Existe ainda o trecho de 750m do triatlo que deve ser percorrido a nado. A Natação faz parte dos Jogos Paraolímpicos desde a sua 1ª edição e reúne um grande número de competidores. Já a Vela foi incorporada em 2000, sendo disputada pela primeira vez em Sydney e o Remo estreou nos Jogos de Pequim, em 2008. A Canoagem fará a sua estreia aqui no Rio de Janeiro, no ano de 2016.

Na Canoagem, as embarcações são adaptadas segundo as habilidades funcionais dos atletas, sendo que eles podem usar apenas os braços na remada, braços e tronco ou ainda braços, tronco e pernas. São 200 m de extensão a serem percorridos em linha reta pelos atletas, que podem competir tanto individualmente quanto em dupla, em provas masculinas, femininas ou mistas.

Na natação, podem participar atletas com deficiências físicas, visuais e intelectuais. O Brasil começou a ganhar força na natação em 1984, conquistando algumas medalhas de ouro. Hoje, essa é a segunda modalidade que mais medalhas deu ao Brasil nos Jogos (83), atrás apenas do atletismo (109)

Existe também a figura do tapper , para os deficientes visuais: essa é a pessoa que avisa o atleta quando ele deve fazer a virada na piscina e quando está no momento da chegada, usando um para isso um bastão com ponta de espuma.

 

A vela paralímpica é aberta a atletas com qualquer tipo de deficiência e o sistema de classificação, que leva em conta e pontua (numa escala de 1 a 7) a estabilidade, a mobilidade, a visão e as funções motoras das mãos dos competidores, permite que atletas com diferentes tipos de deficiência possam competir juntos.

Por fim, no remo adaptado, a classificação dos atletas também é feita de acordo com o membro utilizado pelo competidor para gerar a força de propulsora, como é feito na canoagem: apenas braços, braços e troncos ou braços, tronco e pernas.

Para saber mais sobre as regras e curiosidades dos esportes aquáticos dos Jogos Paralímpicos, acesse o site oficial do governo para as Olimpíadas.  Fique por dentro dessas e das outras modalidades e já vá ensaiando o grito de torcida para o ano que vem 😉

 

 

 

Imagens: http://www.brasil2016.gov.br/pt-br

purificador de água gelada com filtro Europa